Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Sem título(25)

Saio de casa ainda o dia é primícias,

Sentado na língua molhada da praia

Encho o olhar de mar e do regresso do pescador,

Completo-me de brisas e de sol nascente,

Cresço na elevada vivência de quem ama a vida!


Observo as redes vazias do pescador,

E não vejo tristeza e amargura em seu rosto,

Por ter sido arredio o peixe ás suas redes.

Sorri como se farta tivesse sido a faina,

Assim, como se dádiva preciosa fosse,

O mar ter-lhe dado um dia de redes vazias.


Guardo do seu olhar brilhante de navegares,

A sublime aceitação dos dias de menor sorte.

Sereno no saber da dinâmica da vida,

Confiante na cumplicidade dos mares,

Sereno na escassez e na fartura,

Paciente na espera de melhor acaso.


Faz-se entender na linguagem do mar,

E nas palavras das coisas simples

Acha sustento maior.

Do mar aprende o tudo e o nada,

Numa singeleza quase ascética

Detêm a erudição de sabedorias maiores.


Canta uma canção de alegria

Ao passar por mim o pescador,

Saúda-me com sorriso de felicidade.

E eu, já nem sei, se por contemplação,

Ou por suprema gratidão

Retruco em vero sorriso de bondade.


Já vai alto o sol quando regresso

E não maldigo as noites não dormidas.

Apetece-me lembrar apenas

As alvoradas na praia do saber.

A vida por inteiro

Na vida de um pescador.

Compreender que muito ou nada possuir

Vem a ser coisa una e indivisível!


               Dionísio Dinis
Dionísio Dinis
Enviado por Dionísio Dinis em 01/11/2006
Código do texto: T279424

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Dionísio Dinis). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Dionísio Dinis
Portugal, 54 anos
126 textos (5406 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 10:43)
Dionísio Dinis