Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Do oco ao eco.

Há tanto e tão pouco
E há o que é somente oco,
Eco abominável da voz que agora é ausente.

É tudo um joguete de palavras já usadas,
poesia indefinível, desgastada.
sem parêntesis, reticências, ou assunto,
Que por enquanto é o nada.

Transformação do oco em eco.

Desafetos que te foram jogados de longe,
Hoje te atingem como a um qualquer,
Logo quando já não merecias seres atingido.

É a sorte traiçoeira de um passado mal enterrado,
Que ressurge, que transborda, transmitindo a doença
fecundada na tristeza.

E o teu caminho já não tem volta,
E à tua frente somente o que já é término.

O céu que agora é azul e sem nuvens,
É o inverso do teu destino mergulhado em sombras.

E se aproxima, aproxima-se, aproxima-se.

No êxtase desse momento,
Quando és tu, o abismo e eu,
És tu que sais flutuando,
É o abismo que se abre longe do corpo teu,
Pois o corpo que nele tomba,
Ah! O corpo que nele tomba é o meu.
TMB
Enviado por TMB em 01/11/2006
Reeditado em 01/11/2006
Código do texto: T279466
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
TMB
Maceió - Alagoas - Brasil, 25 anos
42 textos (9388 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 04:11)