Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ESTÚPIDA E DESNECESSÁRIA

uma manhã desnecessária
nos provocou até cumprir o acordar
numa louca vontade de dizer: - “ Bom-dia”

a manhã, tão estúpida e desnecessária
quanto a cama, não usa pasta de dentes!

Despertamos inusitados:
corpos acasalados e acomodados
num frenesi de juntar as almas
longe das roupas de dormir, desusadas,
num festival de nudez desconcertada
encoberta e vestida pela flor do pelo em pele.


Ah, desnecessária e estúpida manhã,
para que acender
a claridade se queremos o silêncio de cortinas?

Nenhuma claridade, naquele instante,
poderá falar
mais que o corpo que cobre o outro à luz da sombra!

mas,
se a estúpida e desnecessária manhã
nos fez desacomodar suavemente os gestos
à procura do nosso lado de dentro encoberto,
nos fez abrir preguiçosamente as pálpebras
à procura do nosso lado de fora entreaberto,
que importa
se a noite foi um agonizante fim de dia
ou se o dia será um inesperado fim de noite,
se somos os meios, os inteiros, os totais
ou os complementos do estado de espanto.

Agora, dorme, manhã de “bom-dia” tímido,
junte em sua mala nosso cheiro, suor e sabor
nesse espaço de dormir a dois, o cansaço
dado de presente pelo espaço, a cama
desnecessária para deitar em par.
Djalma Filho
Enviado por Djalma Filho em 26/06/2005
Código do texto: T28157
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Djalma Filho http://www.recantodasletras.com.br/autor.php?id=686). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Djalma Filho
Salvador - Bahia - Brasil
658 textos (19521 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 14:21)
Djalma Filho