Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Quando Um Cadáver Vi No Inferno

                   Passeava eu em sombria noite
                   Pelo Inferno que há ali
                   A cada rua transversal
                   À Rua Da Desgraça.

                   Passeava com Maria Padilha
                   Dos Sete Infernos pelo Inferno
                   Sorrindo para toda Maria Padilha
                   Que passeava dançando.

                   Perto de dois infernais oceanos
                   Estremeci ao encontrar Lúcifer
                   Carregando nos ombros
                   Um cadáver.

                   Maria Padilha Dos Sete Infernos
                   Foi passear com Moloch
                   Para deixar-me falar com Lúcifer
                   E aquele cadáver.

                   “Quem é o cadáver, Lúcifer?”
                   Perguntei ao meu amigo.

                   “O cadáver é um leproso imundo
                   Que tinha cargo político em si
                   E dinheiro sujo muito roubado
                   Do povo pobre por si mesmo de vosso mundo.

                   O cadáver era presidente interino
                   Do maior país escroto dele mesmo
                   Do vosso mundo em esgoto
                   Que para ele mesmo ajoelhava-se.

                   O cadáver criava águias no esgoto
                   E foi assassinado nas águas do esgoto
                   Por tubarões maiores do que o esgoto de
                   Navios de guerra de toda sorte de um morto.”

                   Respondeu-me assim o meu
                   Amigo Lúcifer
                   Enquanto o cadáver que eu vi
                   Se tornava todo cadáver que vejo.
                   Quando um cadáver vi no Inferno
                   Lembrei-me dos cadáveres todos
                   Do meu mundo aqui que é este
                   Mundo de esgoto.

                   As Marias Padilha deixei
                   Lúcifer deixei
                   Quando um cadáver vi no Inferno
                   Para terrível retornar ao meu túmulo.

                   Estranho agora tudo retornar
                   A este meu cadavérico olhar
                   Que não possui um ramo
                   Onde possa fixar o seu pomar.

                   Quando um cadáver vi no Inferno
                   Eu vi a mim mesmo ali às costas
                   Do meu amigo Lúcifer
                   Acumulando todo cadáver que vejo.

                   Nesta Terra que é um Inferno
                   Quando vejo um cadáver
                   Quando me vejo um cadáver
                   Muito cansado me desespero.

                   O Inferno fica em mim aqui
                   É a raiz do meu florestal danar-me
                   Na certeza obscura inegável
                   De ser aquele cadáver.

                   Quando um cadáver vi no Inferno
                   Lembrei-me que vivos são os ratos
                   Comendo o lixo da Humanidade
                   Que é um lixo comestível.

                   Neste mundo Inferno todo
                   Muitos Demônios mastigam todos
                   Os humanos de lixo cadáveres
                   Nas sinuosas curvas de estradas tenazes.

                   Viva os ratos do esgoto humano
                   Todos cadáveres consumidores inatos
                   De dores tidas como perfumes
                   De mortes tidas como alegorias!
                   Quando um cadáver vi no Inferno
                   Vi os criminosos humanos todos
                   Pedindo pelo socorro de um
                   Certo Pai dentro de um certo esgoto.

                   O Pai do esgoto humano calou-se
                   Porque o calar de todo esgoto paterno
                   Admite que paternal apenas
                   É ser filho do esgoto.

                   No esgoto cadáveres humanos procriam
                   Para que outros filhos no esgoto
                   Nasçam sob os braços de um Pai
                   Todo de esgoto limo fedorento.

                   Quando um cadáver vi no Inferno
                   Vi o meu Satanás Interno chamando-me
                   Vi o meu Diabo Interno chamando-me
                   Vi o meu Lúcifer Interno chamando-me.

                   Meu amigo Lúcifer limpou aquele cadáver
                   Que vi sendo por ele carregado
                   E mostrou-me um humano sem esgoto
                   E sem estar esgotado.

                   Vi um cadáver humano sem desgraça
                   No Inferno por onde eu passeava
                   Pois Lúcifer se encarregara de limpá-lo
                   Para levá-lo a oculto Vale.

                   Quando um cadáver vi no Inferno
                   Satanás segurou a minha mão direita
                   O Diabo segurou a minha mão esquerda
                   Lúcifer beijou-me na testa com leveza.

                   O cadáver humano limpo do esgoto humano
                   Aparentava ser vivo sorrindo para
                   Este meu rosto de humano horrível
                   Caminhante pelo esgoto humano.

                   Lúcifer ergueu o cadáver que reviveu
                   Como um cadáver que pelo menos iluminava-se
                   E tentava não ofuscar os brilhos das
                   Belas Marias Padilha que lhe desejavam.
                   Quando um cadáver vi no Inferno
                   Eu vi a mim mesmo revivido pelo
                   Meu amigo Lúcifer a sempre limpar-me
                   Do esgoto de todo dia humano.
 
Inominável Ser
Enviado por Inominável Ser em 07/11/2006
Reeditado em 17/11/2006
Código do texto: T284254

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Inominável Ser
São João de Meriti - Rio de Janeiro - Brasil, 40 anos
85 textos (31719 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 00:32)