Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A TEMPESTADE

Planejei meus dias com antecedência,
mas a tempestade me pegou em alto-mar.
Meu navio tão forte tornou-se frágil
e, do meu destino, só me restou naufragar.

Jogado pelas ondas, vi a face fria da morte,
mas, de certo modo, não me abandonou a sorte
e, logo, meu corpo veio em uma praia parar.

Nenhum dos companheiros de viagem
logrou sobreviver ao cataclismo
e eu, que planejara meu futuro,
me vi jogado à beira de um abismo.

Sem comida, sem água, ferido,
sem bússola, sem sonhos, perdido,
senti no corpo a dor do impaludismo.

Tremia, não podia nem chorar.
O mar, a quem eu via como amigo,
não teve pejo em me destroçar.

A dor da febre me feriu os lábios,
meus braços lassos, galhos inúteis.
Jogado na areia, clamei pela morte,
mas ela não se atém a motivos fúteis,

e, por isso, não tem pressa,
chega quando quer,
tantos morrem todos os dias
e eu era apenas um qualquer.

E como não veio a morte,
decidi me reerguer,
voltar os olhos para ilha
e, na floresta, me perder.

No meu planejado futuro,
na situação em que estou,
o fim seria sempre o mesmo,
a morte em seu destemor.

Se é para morrer,
que seja em viagem,
descobrindo os mistérios,
além dessa paisagem.

A ilha onde estou
é agora o que eu sou.
Invadindo-a, me descubro
e sei até onde vou.
 

Francisco C
Enviado por Francisco C em 07/11/2006
Reeditado em 08/11/2006
Código do texto: T284665

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (www.franciscocampos.recantodasletras.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Francisco C
Porto Velho - Rondônia - Brasil, 48 anos
363 textos (25684 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 22:55)
Francisco C