Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Decifrador de sonhos

Não há motivos coerentes pra avivar os gestos frágeis
Do ser que se vê passional mas se faz cego aos apelos dos sonhos.
Engraçado como é indiferente seus atos falhos e seu pobre caráter
Frente a uma palavra que confessa a todos o que não precisa a mim dizer...

A mecha de cabelo que interrompe nossos olhares sinceros
Mente ao solidificar na ausência a espera de um sinal augusto:
Todas as mortalhas sabem que a minha busca é pelo que me abala
Nas gigantes manhãs em que nada se dá ao sol que o acordar de bem.

Sempre cri no talvez, o odiando mais que amar a quem se idealiza...
De alguém que, impreterivelmente nunca amou,
Forjado nesse mundo de esperas e de pestes, loucas e verossímeis.
A minha quase inquietação se metadiza pois é vã na morte e na vida.
Maria Clara Dunck
Enviado por Maria Clara Dunck em 09/11/2006
Reeditado em 03/04/2008
Código do texto: T286987

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Maria Clara Dunck
Goiânia - Goiás - Brasil, 30 anos
73 textos (4623 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 04:02)
Maria Clara Dunck