Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

TRAGÉDIA

TRAGÉDIA

Na noite fugidia,
Silenciosamente vultos
Espreitando-se pelas sombras;
O medo me deixa inerte...
Os passos são conhecidos...
Profusão de sentimentos,
Sonhos não realizados...
Desejos não alcançados...
O êxtase na noite quente
Foi pouco e será nada...
Abraços, beijos ardentes
Antes que seja já tarde.
Urge aproveitar
A efêmera beleza,
Os passos aproximam-se
Silenciosos,
Deixando suas marcas
A cada noite,
Mas em pleno dia
Também estão presentes,
A cada hora
Agem impenitentes,
Arquejando
Na ânsia do encontro.
Não há fuga,
Não há esconderijo.
Só há que esperar as senhoras,
Amas do tempo e da sorte,
Vultos da noite interior,
As donas da vida:
A velhice e a morte.

Poema publicado na Antologia do III Concurso de Poesia; Prêmio Professor Sebastião Ferraz Campos, da Associação de Escritores de Bragança Paulista; ASES; SP, Edição 2001.
Francisca Cerqueira
Enviado por Francisca Cerqueira em 10/11/2006
Reeditado em 21/10/2007
Código do texto: T287404
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Francisca Cerqueira
Marabá - Pará - Brasil, 45 anos
44 textos (2065 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 22:53)
Francisca Cerqueira