Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ABSORT

Apressam meus passos as horas ínfimas.
Tornam-se mais,
Fazem com que me cale e
Me dizem palavras absurdas.
O passo torna reto
O compasso de minha existência.
A mentira que conto me faz menor,
A verdade que falo, menor ainda,
Digo-te sim, me falas não,
Digo-te ao contrário, manténs o não.
Que raios sou nesse íntimo universo?
Que coisa me cala?
Que coisa me valha
A não ser um sorriso de alguém que não me quer sorrir?
Quer-me longe, distante.
Quer-me tornando uma pessoa diferente
Entrega-me ao inimigo,
Atira-me à cova do leão.
“Não faças isso,
Olha-me os olhos:
Trêmulos, absortos.”
O que de mim redime agora?
O que de mim redime agora?
O que na infinita beleza do teu ser
Sou eu?
O que é esse amor?
Ah, o amor eu sei o que é.
Sei qual é.
Sei por que é.
Mas e eu?
Pessoa, amante, amigo, caso?
Quem sou eu?
O que sou eu?
Rodrigo Messias Cordeiro
Enviado por Rodrigo Messias Cordeiro em 14/11/2006
Reeditado em 14/11/2006
Código do texto: T290708

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Por R. Messias Cordeiro). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Rodrigo Messias Cordeiro
Feira de Santana - Bahia - Brasil, 33 anos
276 textos (13646 leituras)
9 áudios (1184 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 12:29)
Rodrigo Messias Cordeiro