Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

INSÔNIA

INSÔNIA
                   Chico Steffanello
 
Agora não durmo,
Deixo meu corpo
Sobre o catre
E viajo:
 
Voa minh'alma
Por muitos caminhos
Que lhe apraz voar
Para chegar inevitavelmente
Ao lugar que mais gosta:
 
À sombra das imensas árvores
Cobertas de musgos para
Respirar o que há de melhor perfume
E vibrar com a vida que pulula,
Falar com a voz de um pássaro
E deliciar-se no fecundo silêncio
Dos ciclos das águas,
Das vidas que germinam,
Das vidas que nascem,
Para coletar a energia
Que alimenta a centelha
Que levanta toda manhã
Meu corpo de onde estava.
 
Agora não durmo,
Deixo meu corpo
Sobre o catre
E viajo:
 
Voa minh'alma
Por muitos caminhos
Que lhe apraz voar
Para chegar antes do amanhecer
Ao lugar que mais gosta:
 
À sombra das grandes árvores
Que agora tombam
Feridas por lâminas,
Espantando a vida que pulula
Secando o perfume úmido e macio
Da relva mãe das vidas
Que germinam e que nascem,
Para ouvir horrorizado
O grito da vida que se esvai
Por obra das mãos da criatura
Mais amada do Criador.
 
Agora já não durmo,
Deixo o meu corpo
Sobre o catre
E viajo.
 
Voa minh'alma
Por muitos caminhos
Que lhe apraz voar
Para chegar antes do amanhecer
Ao lugar que mais gosta:
 
À sombra das grandes árvores
Para acordar meu corpo
Em sobressaltos
A cada grito da vida que se esvai
Por força da mão do animal mais
Amado pelo Criador.
 
Agora já não durmo
Porque não tenho onde chegar
Para comungar a minh'alma
Com as fontes de sua energia.
 
Agora já não durmo
Porque o horror me abate
A cada grito da vida que se arrebenta,
Da vida seca
E arde.
 
Agora já não durmo
Porque são áridos os caminhos
Que percorre minh’alma
E, horrorizada, ouve,
Sempre antes de chegar,
O choro silencioso do Criador.
Chico Steffanello
Enviado por Chico Steffanello em 30/01/2005
Reeditado em 06/02/2005
Código do texto: T2911

Copyright © 2005. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Chico Steffanello
Sinop - Mato Grosso - Brasil, 58 anos
246 textos (31056 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 12:24)
Chico Steffanello