Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Exilado



Que alma estranha teu corpo habita,
perambulando em teu mundo invisível.
Vivo ainda, indiferente respiras...
Encarcerado teu sorriso não te visita.
Possuído de uma triste abstração,
como solidão de casa abendonada.
Transfigurados teus olhos já não vêem,
inertes à vida, secos de emoção.
Nesse cárcere sem partilha
flagela-te na angústia de viver.
A indiferença inútil se fez sina
Escavada no isolamento de uma ilha.
Errante perambulas pela vida...
Ninguém e nada mais importam.
Na ausência das palavras nasce
O exílio como única saída...
Lislopes
Enviado por Lislopes em 16/11/2006
Código do texto: T292689
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Lislopes
Passo Fundo - Rio Grande do Sul - Brasil, 55 anos
80 textos (269523 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 11:43)
Lislopes