Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Absolutismo do nada

A noite adormece. A meia lua, linda e solitária, abocanha a noite, como se o tédio fosse a solução.
 
Eu, aqui, a sonhar estrelas. A imaginar perfumes, a querer sabores...
Sempre a desejar o além do além. Tudo tão simples e ao mesmo tempo tão ilógico. Como querer estar onde não estou? Como querer tocar o que não é palpável? Mas eu sonho. Acordo a noite,  sacolejo o vento, que até então era brisa, tentando fazê-lo tufão... tudo tão complexo, neste amplexus buscando corpo onde se encontra solidão.
 
A arte é minha. E nela não sei definir o que se é linha do que se é curva. E as sombras são como cílios semicerrados borrados de rímel lilás. E tudo vira paixão nesta hora que a lua ironiza com um molejo de  desdém – não vê estrelas sós. Vê amontoado de cacos iluminados que, sem calor, apenas lá, escondem-se atrás das nuvens... a lua, eu, a noite, nós, sós.
 
E perco os ponteiros.
Perco o aviso do letreiro.
Perco o bonde.
Perco a nave.
Perco a vida.
Perco a arte.
 
Casuísmo.
Perco o único momento em que a lucidez me abocanhou.
Dora Leal
Enviado por Dora Leal em 30/06/2005
Código do texto: T29492

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Dôra Leal). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Dora Leal
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil
501 textos (25392 leituras)
1 e-livros (38 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 18:02)
Dora Leal