Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Poema pertencente ao poemario "Às vezes temo a metamorfose"

Às vezes temo a metamorfose
O brilho da moeda que nos arrasta ao presumível
domínio dum filho da puta por um mísero
salário
Hoje toca-me dupla representação, os espectadores
esperam ocorrências
Amanhã oscila entre preguiça e apatia
Ressona um despertador na mente como
um maço
Almanaques pirómanos de sonhos
delineiam maioritariamente a preto os dias
É tarde
Os semáforos sabem-no e fodem
mudando o verde permissível
por um vermelho que paralisa
Toca o sino, já está na hora
Mais uma vez a contenda de
pontualidades e
atrasos
da diária jornada de perfeita proletária
De cancelados direitos e
de um montão de obrigações
Amanhã alcançarás o teu prémio
subir ao céu dos idiotas
Mas esta certeza não é suficiente
A fé perde adictos
Os comícios não convencem
As promessas tornam-se contos de fadas
e levas um corvo no bico
Cruz Martinez (da Galiza)
Enviado por Cruz Martinez (da Galiza) em 11/05/2011
Reeditado em 19/06/2011
Código do texto: T2962829

Copyright © 2011. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Cruz Martinez (da Galiza)
Portugal, 57 anos
18 textos (305 leituras)
2 áudios (37 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/08/17 23:19)
Cruz Martinez (da Galiza)