Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

absinto


Rosa Pena


No jantar
o luar
será meu par.
Sem luz
apenas a vela
revela
o que meu rosto traduz.
Uns goles de absinto
algumas flores no recinto
minhas saudades repinto.
A boca com gosto de anis,
solta o que o coração diz.
-Sem ti,
não há como ser feliz.
Muitos sorrisos envolvem a mesa.
Falei alto com certeza!
Amanhecendo viro acompanhante da tristeza.
-Garçom!
Mais um gole da fada verde.

* * *

Nas horas de descanso, Toulouse-Lautrec não deixava de dar suas bebericadas.
Oscar Wilde e Paul Verlaine escreveram poemas em seu louvor. Degas, Manet, Van Gogh e Picasso fizeram o mesmo em seus quadros.
Um pouco antes, o Absinto era um precioso elixir medicinal recomendado por ninguém menos que o filósofo Hipócrates e o matemático Pitágoras.
Também conhecido como "fada verde".
Hoje considerado por muitos alucinógeno.

*


26 de fevereiro de 1997
ISBN/7786548



gravura/ Renoir



Rosa Pena
Enviado por Rosa Pena em 01/07/2005
Reeditado em 27/09/2009
Código do texto: T29749
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2005. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre a autora
Rosa Pena
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
960 textos (1419212 leituras)
48 áudios (24767 audições)
33 e-livros (29020 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 09:50)
Rosa Pena

Site do Escritor