Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

MEUS OLHOS TRISTES



Meus olhos buscavam algo,
Ela olhava para mim
Com fixação, hora ausente.
Era o prenuncio do fim.
Olhares tristes, indiferentes.
Era um até nunca mais.
Bastaria apenas um gesto,
Uma palavra sussurrada,
E toda a indignação presente,
Seria esquecida e mais nada.
Imóveis, apenas nos olhamos,
Como se fôssemos estranhos.
Cada um querendo vencer.
Acima de tudo, o orgulho.
Palavras ditas sem querer,
Nossos corações acelerados.
Em seu último olhar,
A primeira lágrima escorrida.
Nosso mundo desabando.
Nenhum abraço, nenhuma acolhida.
O seu olhar fitou o meu,
A indignação ainda presente.
O rancor a nos distanciar.
Queríamos ainda tentar,
Não havia clima para dialogar.
Num piscar de olhos ela se foi.
Sem aceno ou aperto de mão.
Trocamos olhares angustiantes,
Representamos um papel
Não escrito para amantes.
Ate hoje acuso inquietação.
Vícios da vida a me consumir.
A todo instante seu mudo olhar,
Como uma eterna hipnose, vem;
Em meu murcho coração repousar.
Paulo Izael
Enviado por Paulo Izael em 03/07/2005
Reeditado em 24/07/2005
Código do texto: T30724
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Paulo Izael
São Paulo - São Paulo - Brasil
206 textos (27424 leituras)
1 áudios (171 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 08:38)
Paulo Izael

Site do Escritor