Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Soneto Esperança


Do mar ao largo o que houver,
Suave têmpora ou rude golpe
(E sejas tu ao que vier),
Não tem amarra ou chicote

Que te prenda ou ofenda;
Traça teu rumo como ao primeiro,
Aceita-o como a uma oferenda,
E sê tu teu próprio companheiro.

Porque ter asas e não voar,
Pôr no longe o que perto está,
Ser a sorte que só ela dá,

É caminho que não se sente,
E andamos assim, como a gente,
A fingir caminhos, p'ra andar.

Jorge Humberto
Jorge Humberto
Enviado por Jorge Humberto em 05/07/2005
Código do texto: T31296
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Jorge Humberto
Portugal, 50 anos
2622 textos (66670 leituras)
22 áudios (937 audições)
13 e-livros (541 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 16:49)
Jorge Humberto