Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

PARECE QUE FOI ONTEM

Parece que foi ontem...
Sabia, vinhas ao desconhecido!

a minha cara de cartão antigo
esperava um longo sorriso largo
para acalorar os olhos crus: céticos!

parece que foi ontem...
Cego,
troquei teus braços com os braços meus
e encaixei minhas mãos entre as tuas
para que nenhum mosquito transpassasse os dedos;

pois o amor, quando se reconhece amor,
exige a mais inseparável das aproximações!

Parece que foi ontem...
Paramos só para nos escutar!

em nossa volta, a algazarra solta do vento
respeitou  todas regras e leis do silêncio:
uma estática às folhas das árvores.

parece que foi ontem!...
Mudo,
toquei teu pensamento com minha vaga intuição
e sussurrei minha voz em ti como quem procura fala
como cacos espatifados pelo chão do coração de vidro;

pois o amor, quando se reconhece amor,
cala o grito de estar no prazer do inevitável!

Parece que foi ontem...
Estávamos bem, bem próximos!
.

Somos quase virgens na vida a dois.
Um medo em comum nos ronda: a rotina!
No princípio, como todos os princípios,
perdemos a sensatez, a lógica dos movimentos, a estupidez
de nem saber o que pensar quando envolvidos pela paixão.
Nenhum Domingo é Domingo, nenhum Sábado é Sábado,
toda a semana é um tremendo feriado!
Esquecemos das obrigações, da realidade
e passamos a viver como se fossemos capazes
de nos alimentar de sonhos e viver de brisa.

... até necessária para perdermos peso!

Mas, o amor que nos cega é tão intenso,
que esquecemos do adoecer e da farmácia,
e quando nus nos vemos
estamos tão próximo um do outro
que descobrimos como é ridícula a solidão dos espelhos

... até nos tornamos definitivamente inseparáveis!


de olhar para o espelho uma outra face
até o gosto do beijo diferente
dado sempre entre casais
da mesma forma, sem desgaste, inseparáveis de amor!

 

parece que foi ontem...
mergulhaste nas águas turvas
de tanto amor não declarado.

havia um Vinicius sempre cantante,
uma vela de luz tênue
que sombreava meus defeitos.

Até que de repente, inesperadamente,
quiseste me conduzir aos olhos do inesperado,
dedos sobre os dedos até o primeiro beijo!

parece que foi ontem!

sofremos de ausências e incertezas
que se dirimiam no próximo telefonema,
no abraço de saudade guardada que explodia!

parece que foi ontem!

tivemos, sim, algumas noites de insônia,
principalmente quando sonhávamos com nossos pesadelos.

parece que foi ontem
que cansamo-nos de viver distantes e tão juntos,
que hoje temos vontade de falar a todos os que querem escutar
a história desse amor que cresceu,
cedo, tarde, tarde,cedo,
que não se acha na pressa, que não se acha derradeiro,
que não impõe limites, apesar de sem limites!

Parece que foi ontem
que, em cumplicidade,
vivemos, sem nenhum papel passado,
qual um casal casado.

O tempo é curto:
nos achamos no passado,
temos a intensidade do presente,
e toda certeza de tanto futuro!

Parece que foi ontem!
Djalma Filho
Enviado por Djalma Filho em 10/07/2005
Código do texto: T32643
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Djalma Filho http://www.recantodasletras.com.br/autor.php?id=686). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Djalma Filho
Salvador - Bahia - Brasil
658 textos (19518 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 19:11)
Djalma Filho