Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O ÚLTIMO DIA DO SÉCULO VINTE

olha a manhã apressada,
acalma
a pisada dos pés de quem por ela passou;
preciso correr atrás do amor de ontem
sem acidentar a fiel madrugada.

olha o dia correndo apressado,
ajuizado
o sol sabe coroar miolos bem fritinhos;
almoço como quem janta ao teu lado
sem nenhuma pressa de talheres.

Empresta-me teus olhos?
Preciso assistir teus pontos de vista!

Zequinha saiu da escola
assaltou um carro no sinal
... e mais ninguém o viu!

Joana, jovem recém-casada,
sem mala, desapareceu de casa,
... e desandou os pés na estrada!


Joaquim, setenta anos, aposentado,
comprou um celular, falou com um amigo
... e foi noticiado num obituário de jornal!

preciso correr atrás de amor de ontem,
pois o dia,
velho ou moço,
jovem ou adulto,
nasce para perder
até os primeiros raios
e adia a urgência
dos  fins de tarde:
quando, palpável, o amor torna-se sólido!

Juntos, em um vago dia trinta e um,
jantamos-nos, amamos-nos, dormimos-nos
fazendo arte ao mais profundo de todos os silêncios.

Precisamos dormir muito, muito e muito...
até acordarmos bem tarde para o dia que mal começou!
Djalma Filho
Enviado por Djalma Filho em 10/07/2005
Código do texto: T32649
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Djalma Filho http://www.recantodasletras.com.br/autor.php?id=686). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Djalma Filho
Salvador - Bahia - Brasil
658 textos (19525 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 04:41)
Djalma Filho