Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ANOITECER

ANOITECER


Não me agitem!

Deixem-me tranquilo
No meu canto
Devo estar senil

Ah! O que eu amei
Depois de Abril
O que eu escrevi
O que eu sonhei...

Não me agitem!

Deixem-me sentir
De olhos fechados
Sem tactear
Todos os portos
Todos os corpos
Que ficaram por abrir
Todo o mar
Que não pude navegar

Não abram as persianas
Da minha câmara escura
Estão lá todas as imagens
Todas as personagens
Da minha ternura
Está lá a aventura
Da minha vida...

Não corrompam os ficheiros
Que tanto custaram a gravar...

O primeiro verbo amar
A primeira lágrima
A primeira dor
A primeira esquina,
Que tive de dobrar,
O primeiro sorriso de criança
A primeira esperança
O primeiro sonho,
Que não consegui realizar
O primeiro pesadelo
Foi tão medonho
Que nem me atrevo a repetir

Não ataquem, por favor,
Os meus executáveis
Mesmo se desagradáveis
Têm de existir
São eles que me permitem
Sobreviver...
Escrever...
Subsistir...
E, às vezes, são notáveis
Na forma de se exprimir...

Não me agitem
Posso ser perverso!

Quantas vezes faço da dor
O reverso do amor
Quantas vezes o meu verso
É todo o universo
Que não pinto
Quantas vezes o sorriso
O riso tresloucado
Do mais perfeito juízo
É o retracto passado
Vivido sem paraíso

Não me agitem

Quanto muito
Sussurrem no ouvido
Todo o prazer sentido...
Digam tudo...
O que tiver de ser
Sobretudo
Antes do amor
Depois...
Revistam a urna de veludo
E deixem-me anoitecer...
ressoa
Enviado por ressoa em 13/07/2005
Código do texto: T33709
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
ressoa
Portugal, 67 anos
72 textos (1881 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 11:09)
ressoa