Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

AO POETA



Deve amar-se sem pensar
em abarcar seu olhar
onde mora a imensidão…
Sem pretender decifrar
se ele nos ama ou não

Pois nem ele próprio sabe
se tem espaço, se em si cabe
único, um amor profundo…
Em seu peito alberga o mundo
paixão feita inquietação

Prosa, rima, abstracção
ferve-lhe a alma em cachão
gelam-lhe as mãos longos frios…
Nas ânsias do coração
corre-lhe o sangue em rios

E corre sem direcção
sem rumo, na indecisão
de prender-se a uma só voz…
Poeta é rio sem foz
sem margens sua ilusão

Poeta só pode amar-se
sem pretender sufocar-se
o ar que em versos respira…
Amando as suas ausências
que prós longes o atira

Afagando o seu regresso
sem nunca dizer-lhe “peço”
mas seu voltar festejando…
Que ele ao voltar está amando
pese o amor inconfesso

Nutrindo-o de imaginário
dando-lhe a beber o vário
mesa e cama encantamento…
Saciando-o de eternidade
na loucura de um momento

Só do hoje lhe servir
que ele não degusta o porvir
nem os sabores de amanhã…
Poeta sorve a maçã
do agora… pronta a cair

Deixem que as musas o amem
das alturas não o chamem
que as pedras do chão lhe doem…
Do sonho não o acordem
dêem-lhe penas que voem!
Carmo Vasconcelos
Enviado por Carmo Vasconcelos em 16/07/2005
Código do texto: T34753
Classificação de conteúdo: seguro

Áudio
AO POETA - Carmo Vasconcelos
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Carmo Vasconcelos
Lisboa - Lisboa - Portugal
203 textos (15408 leituras)
62 áudios (7662 audições)
15 e-livros (1368 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 01:59)
Carmo Vasconcelos