Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CIGARRO

CREIO NO CIGARRO,
COMO O AUGE DA PUNHETA:
ALTOS, BAIXOS, MEDIANOS TEORES.
MEL DO HIATO GINECOLÓGICO
- E EU NO BANHEIRO -,
( RESSALVA AOS TRAGOS ).
FOI REGOZIJO EJACULADO
(in memoriam DUM FUMANTE ARRAIGADO).

CIGARRO:
É NÍTIDA NUDEZ ÉTICA DA HONRADEZ.
STATUS IMORAL DA SENTATEZ.
UM ÊXTASE AMÁRGO NO PLENO ORGÁSMO,
QUE SUGERE CLÍMAX, CANSAÇO:
- ACENDA UM CIGARRO?!

O CIGARRO ME COMEU.
NA HORA O PAU MORREU.
TALVEZ O VEADO FOSSE EU!
( ÀQUELA PUTA NÃO VALEU )

O CIGARRO ME ACABOU.
UM MAÇO ÀVIDO,
AMASSOU,
ME FUMOU!

DEU GRIPES;
DERRAMES;
TUBERCULOSES;
DIABÉTES;
ANEURISMAS;
ENFISEMAS;
BRONQUITES;
EDEMAS;..

FIM DA LINHA,
SE FUMOU
(INÍCIO DOUTRA).

FODEU,
DEU TUMOR!
RODRIGO PINTO
Enviado por RODRIGO PINTO em 18/07/2005
Reeditado em 16/04/2007
Código do texto: T35499
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
RODRIGO PINTO
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 98 anos
316 textos (19099 leituras)
2 e-livros (908 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 10:43)
RODRIGO PINTO