Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

TANGO: AMOR NA VERTICAL

Plantadas no fundo de rios e tormentosos mares,
encravadas âncoras consomem-se, solidão.
Meus pés escafandristas estão quietos.
Corpo repleto de música,
lábios cadenciam lamentos do antigo sino,
dolência de emoções, cantos, desejo.

O par bailarino abre ágeis asas, arrastando pés,
mãos, tronco, fetiches.
Panturrilhas rijas da dançarina
encravam-se – fêmeas – neurônios de tango e sal.
No rosto da pareja o coração pulsa: louco relógio
resfolegado de técnicas, ocultos cansaços.
La niña: o peito explode nos seios, expulsa o ar
entre notas lépidas, violino, bandoneon.
Voz rouca, o violoncelo contrasta
a mórbida suavidade do piano.

Silhuetas soluçam plumas no torso nu,
música é um contar de nuvens.
Neste dia de maltas e súcias,
vozes amadas subsistem:
mitigam cadafalsos, guilhotinas.

O Prata é um rio tanguero,
um ardiloso nariz álgido
de plátanos, charruas, ventos.
No Pampa uruguaio, o tango começara cedo:
que o digam Andresito e Artigas,
bailando entre espanhóis, cavalos,
canhões, arcabuzes.

- Do livro OVO DE COLOMBO. Porto Alegre: Alcance, 2005, p. 86.
http://www.recantodasletras.com.br/poesias/35930
Joaquim Moncks
Enviado por Joaquim Moncks em 20/07/2005
Reeditado em 01/03/2008
Código do texto: T35930
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Joaquim Moncks). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Joaquim Moncks
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 70 anos
2581 textos (709721 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 22:15)
Joaquim Moncks