Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CASA

quero um lugar onde possamos dividir-nos
sem fatiarmos um ao outro, e inteiros,
quase completos e quase perfeitos,
não tenhamos medo de rachar-nos construídos, ao meio...

esse lugar só nosso, onde o espaço será bem ocupado,
infinitamente amplo ou profundamente restrito,
basta-nos! Fundamental será sentir o amor contido,
cuidadosamente espalhado, nesse ser unificado por tanto chamado.

Um lugar onde possamos entender o sentido exato do ato de casar,
onde a palavra-chave não seja arrependimento ou dependência
ao enfronharmo-nos nos sonhos segredados dos travesseiros, um no outro
até mesmo quando, intrometida, a saudade chegar em nossos corpos, de visita.

E, se alguém insistir em ficar por perto,
esse alguém saberá que nesse espaço único
não sobrará lugar para quatro, cinco, seis mais pessoas!
Ele, na teoria da receita, deverá conter dois corpos em um, indivisíveis;
enquanto neles, ajustadas, almas não saberão mais ficarem solteiras
mesmo quando o espaço físico da casa nos separará por aposentos.

É claro que haverá um canto para que o santo, de fé ou cabeça,
nos ouça quando um palavrão impensado for dito em alto e bom som;
aí então deveremos ter todo cuidado, mesmo sem muito jeito ou tato,
para entendermos que em cada pedido de perdão há uma graça
sempre com mais carinho, e de joelhos juntos ou trançados
estaremos unidos do chão ao espaço, dos pés às mãos.

Ah, a cama!...
é aí onde o amor começa a crescer sem precisar engatinhar;
nascido, nos deixa uma vontade gostosa de permanecermos juntos.
Aí o silêncio aprenderá a falar mais baixo
consciente de que as paredes não limitam
o prazer da probabilidade do choro dentro da noite.
E, enquanto calados,
dá-nos uma vontade enorme de criar um feriado a cada meio de semana
até o dia em que estivermos mais maduros ou sérios
em meio a desejos cada vez mais juvenis!

Nesse lugar,
divididos sem nos fatiar,
seremos os mais prosaicos dos mendigos,
santos e putos grudados nesse amor sem esparadrapos
e antropófagos quando famintos saborearmos todo guardado, juntos!

Descobertos,
não haverá como desabar o teto
da entidade casa que agrava-se
qual museus: distante da curiosidade do ser humano.
E, sem alardes,
um homem e uma mulher ocupam o mesmo espaço
até dormirem cansados e reféns do profundo silencio
da casa
que nos guarda momentaneamente!
Djalma Filho
Enviado por Djalma Filho em 20/07/2005
Código do texto: T35936
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Djalma Filho http://www.recantodasletras.com.br/autor.php?id=686). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Djalma Filho
Salvador - Bahia - Brasil
658 textos (19520 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 16:34)
Djalma Filho