Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Desfecho em sombras

A pálida luz que me alumbra
o seu brilho já o perdeu;
nem sinto o calor de sua penumbra
quando minh'alma à noite já pendeu.

Que me envolva a marca obscura
e me digira a esperança resguardada,
não há razão de uma vida de loucura
com o amanhecer da alma quebrantada.

Alma derrotada na ilusão de vencer,
sonhos castigados pela lápide chorosa,
sufocados por poluída atmosfera do humano ser,
martirizado seu coração em vida impiedosa.

E ainda a verei em minha partida,
pousada à chuva acometida,
e chorarei eterna vida
por essa piaxão já falecida.

Em pranto, além do dia
por nunca havê-la amado,
no âmago a infinita sangria
de um coração frio e desprezado.

Esta dor será maior,
virgem em te amar,
me envenenando do corpo a noite sem dó
e da alma a dor de não estar.

Irei sozinho e acompanhado
por tantas mágoas que carrego.
Com um caminho, mas sem traçado,
vago pela ausência a que me entrego.
Vitor Barros
Enviado por Vitor Barros em 20/07/2005
Código do texto: T36153
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Vitor Barros
Natal - Rio Grande do Norte - Brasil, 29 anos
26 textos (1396 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 22:14)
Vitor Barros