Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Cotidiano

Undécima hora, sol a pique,
suor no rosto, a mão, olhar cansado,
um quê de quem não tem o que perder,
um ar de quem tem pouco a ganhar.

Não há em seu semblante muita coisa
que se possa dizer que é marcante.
Não existe na face uma ruga
que não seja uma marca do viver.

Fraco, magro, amarelo, triste,
a perna enrijecida de uma artrose,
uma barriga grande, uma ascite,
dum banho uma esquistossomose.

O campo a lavrar, o milho seco,
a roça por colher, farinha crua;
o forno esquentou, coloca a massa
e mexe, mexe, mexe, sem parar.

E quem irá comprar?
O mundo é outro, agora, é negócio;
não tem aí muito jeito, não, mas...
e daí?

Vende a farinha, traz dinheiro.
O feijão secou, milho também.
Colhe mais a roça,
e dela faz mais farinha.

E vende, colhe o milho,
o feijão (o que sobrou da seca dura)
preto, pois o pardo murchou.
É duro.

Duodécima hora, ainda o sol,
a fome, a sede, o gosto
da comida na boca.
Na boca, feijão com farinha.

O sol se foi, o chão.
A rede rasgou ontem,
a esteira nova ainda coça
nas costas nuas ao deitar.

É madrugada. O galo canta.
O sol já vem. Levanta
e vai à roça.
A terra seca (ontem não choveu).

Milho, feijão, secos.
A farinha ainda crua,
o suor no rosto.
Undécima hora, sol a pique.
Paulo Camelo
Enviado por Paulo Camelo em 20/07/2005
Código do texto: T36169
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autor: Paulo Camelo - www.camelo.recantodasletras.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre o autor
Paulo Camelo
Recife - Pernambuco - Brasil, 68 anos
909 textos (260298 leituras)
36 áudios (10733 audições)
6 e-livros (1686 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 08:38)
Paulo Camelo

Site do Escritor