Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Qualquer amor me serve

A memória indestrutível
persegue-me.
A mim que sou mulher
tão frágil (o corpo sensível
para dores e o medo da tuberculose)
Depressa subi ao monte
e avistei o homem no burrico.
Arrebatou-me a etérea esperança
de o burrico se interessar por mim.
Seus olhos energúmenos,
incansáveis em dizer
meus dotes.
E então desviarem-se deste pasto
de mulher confusa,
infinitamente triste,
como convém
às fêmeas de bem.
claudia lidroneta
Enviado por claudia lidroneta em 23/07/2005
Código do texto: T37101
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
claudia lidroneta
Israel, 48 anos
42 textos (1096 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 16:17)
claudia lidroneta