Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A história do alecrim

A história que eu vou lhes contar,
   tem o brilho do sol da manhã.
Sua origem é milenar,
   pois ela simplesmente aconteceu,
   no início da Era Cristã.

A Sagrada Famíia,
   seguia por uma longa estrada.
Fugindo da persseguição
   e da tirania de Herodes,
   Maria e o seu esposo José,
   seguiam para o Egito,
   para que a vida do Menino Jesus,
   da maldade do rei assassino,
   fosse então preservada.

O sol estava brilhando,
  o dia estava muito lindo.
Por onde Maria, José
  e o menino íam passando,
  em um pleito de homenagem
  e em uma demonstração de carinho,
   as flores íam se abrindo.

O lilás ergue os seus galhos,
   orgulhosos e emplumados.
O lírio ostentando a pureza,
  elevou bem alto o seu cálce,
   de um modo singelo e delicado.

No entanto o alecrim,
  ficou triste diante disto.
Pois sem ter nenhuma beleza,
  ele ficou a lamentar,
  por não poder agradar,
  ao menino Jesus Cristo.

Maria estava cansada,
  o sol ardía feito brasa.
Ela junto com José,
  fizeram uma pausa no caminho,
   antes de prosseguirem,
   com a extensa jornada.

Em um lugar protegido da luz,
  com toda a ternura e carinho.
Maria deitou Jesus,
   para que ele pudesse,
   adormecer um pouquinho.

O tempo não estava frio,
  e mostrava os bons ares seus.
Maria foi à margen de um rio,
  onde se pôs a lavar,
   as roupinhas do Menino Deus.

Ela olhou ao seu redor,
   a preocupação não foi pouca.
Pois ela desejava encontrar,
   um lugar propício e seguro,
   para estender as roupas.

A Virgem ficou pensando,
    com um certo temor aceso.:
"_ O lilás é alto demais,
      eu não podería alcançá-lo
     e se porventura eu tentasse,
     estender as roupas sobre o lírio,
     ele podería se quebrar,
     pois não iría suportar,
    ter sobre sí tanto peso !

Mas logo avivou-se o seu tino
   e Maria fez exatamente assim.
Ela foi com calma e paciência,
  estendendo peça por peça,
   as roupas do Deus Menino,
   sobre a copa do alecrim.

O arbusto logo se alegrou
   e sentiu uma grande euforia.
Pela nobre oportunidade,
   de poder fazer um agrado,
   ao Menino Jesus,
   ele agradeceu de coração,
   à Santíssima Virgem Maria.

Foi imensa a sua emoção,
   em uma felicidade verdadeira.
Em um pleito de gratidão,
  o alecrim sustentou,
   as roupinhas do Menino Jesus,
   ao alcance do sol,
   durante a manhã inteira.

Maria então falou,
  com uma doçura sem fim.:
"_ Pelo seu imenso carinho,
     para com o meu filho Jesus,
    eu muito lhe agradeço,
    bondoso e gentil alecrim !

Ouça bem o que eu lhe digo,
   com sinceridade e clareza.
Doravante irás florecer
   e terás um aspecto lindo,
  revestido com flores azúis,
   para servir de recordação,
   do manto que estou vestindo.

Mas além das lindas flores,
   lhe dou em agradecimento.
Também todos os seus galhos,
   que sustentaram as roupinhas,
   do Menino Jesus,
   doravante irão exalar,
   um agradável aroma.

A minha bênção eu lhe dou,
   com todo o carinho e amor.
À partir deste instante,
    as tuas folhas, os teus caules
    e as tuas flores,
    doravante por todos os dias,
    hão de ter o perfume,
    que traduz a santidade
    e hão de transmitir a todos,
    a mais completa alegria.

A cultura se torna memória
    e a vida um encanto sem fim.
Assim termina a história,
   cujo o personagem principal,
   é o alecrim.








*Notas.: 1a.) O alecrim é um arbusto originário da região do Mediterrâneo. Esta planta chega a crescer até 1500 metros de altura. Ela pode ser cultivada preferencialmente, em solo de origem calcária. Devido ao seu aroma característoco, o alecrim foi chamado pelos romanos de Rosmarinus. Palavra que no latim significa: "Orvalho do Mar". O alecrim é um arbusto muito ramificado, sempre verde e possui hastes lenhosas. Ele também possui folhas pequenas e finas, opsotas lanceoladas. Além disto, a parte inferior das folhas é de côr verde acinzentado. O alecrime exala um aroma forte e agradável. Ele é utilizado na culinária, na medicina e também com objetivos religiosos. Ele pertence à família das Lamiaceae ou Labiadas.
Luís de Minas
Enviado por Luís de Minas em 21/06/2012
Reeditado em 07/05/2013
Código do texto: T3736085
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Luís de Minas
Itabirito - Minas Gerais - Brasil
772 textos (80044 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/10/14 11:05)



Rádio Poética