Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

(Ir)real

Sim, perco a palavra justa
Meu coração alarga-se quando
O sol dá uma de meio-dia
E tudo que mantenho em segredo
A minha prece silenciosa e tão a ermo
É o doce balançar das horas
fugindo dos meus desejos
Onde sou sombra derrotada pela claridade
de um comboio triste em retirada
Margem de estrada empoeirada
que me faz pausadamente leviana
Em cortejo
em marasmo
em saudade
em vida eirada
Falta-me tudo
Preencho-me de nada
Perco a linha seguinte
Fui quase
do tamanho da minha luta
Onde cal, útero, larva
se misturam
Sem alívio, sem pudor,
Estou a sós com meu medo
Agiganto-me
Nesta terra do nunca
Cubro meu amor de mundo
Remeto-me ao pequeno sonho
De inventar o meu escuro único
Vestida de pó translúcido
Anfiguri e avulsa
A vida surta
Meu coração nunca em definitivo
O símbolo desaprendido
O objeto destituído
Pela via do desejo
Devolvo-me à pedra bruta
Vejo-me
porosa e resoluta
Só hoje
O Real chegou mais cedo


Izabella Gamellas
Enviado por Izabella Gamellas em 29/07/2005
Reeditado em 29/07/2005
Código do texto: T38576
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Izabella Gamellas
São Luís - Maranhão - Brasil
107 textos (10690 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 10:34)
Izabella Gamellas