Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

NOMES

Davi,
pode ser:
é vida na via hereditária
do caminho da estrela à Salvador...

Diana,
pode ser:
é caçadora de olhos-esmeralda
de passos tão guerreiro quanto os de Oxossi...

João,
pode ser:
é o nome sem cara do estado Brasil
com pernas secas-tortas no drible, qual as garrinchas...

Luíza,
pode ser:
é a vaidade de mulher-menina para a casa
mais refletida que os espelhos da Oxum num sol de fim-de-tarde...


(risos de casal)


Amanhã, contaremos para ele
— ou para ela —
a cara feia que fazias quando enjoavas;
e bela, vomitaste tanta beleza,
que te intimidaste, até enciumaste, da lua cheia
armazenando ternura em todas barrigas crescentes!

Amanhã, contaremos para ela
— ou para ele —
a cara de bobo que ficaste de surpreso;
e terno, perdeste a pose da ternura mansa
quando resolveste gritar, sem escarcéu, para o mundo
a mais íntima das revelações: o meu espaço está cheio do filho teu!


(risos de casal)


Aira,
pode ser:
é a volta do poema “toda lindeza da mulher”
para quem te chamou de índia-mestiça-branca-baiana.

Pedro,
pode ser:
é a segurança de todas as palavras sensatas
da emoção na primeira-pedra desta sólida construção.


(risos de casal)
 

Amanhã, contaremos para ela
— ou para ele —
das noites pouco dormidas quando a perseguíamos,
para que a própria espera encurtasse
mesmo te amando tão bem grávida,
via um filete de maresia escorrer num canto dos teus olhos
olhando o berço vazio, já, recém-comprado.

Amanhã eu vou contar para ele
— ou para ela —
dos dias, raros, acordados quando saíste da nossa casa,
para que nenhuns dos desejos ficassem vagos
mesmo te querendo aqui tão perto,
vi uma ruga feliz de maturidade cravada num canto dos teus olhos
sem relógio de pulso, trazendo-me maracujás.


Vinícius,
pode ser?:
ah, como queria chamá-lo Vinicius!...
Mas, andam dizendo por aí, que nome de poeta dá azar!...

E Clarisse,
pode ser?:
ah, como queria chamá-la de Clarisse!...
Mas, dizem por aí, que ela será mais uma das tantas Clarisses tristes!...


(silêncio quase solene do casal)


Amanhã, diremos para ele
— ou para ela —
que tenho um medo deste Brasil tão mal-feito,
mas que me orgulharei tanto deste brasileiro-cidadão!

Amanhã, diremos para ela
— ou para ele —
que tenho medo dos amores na primeira esquina,
mas dela me orgulharei por ser fruto dum amar bem achado!


Amor lindo,
pode ser Maria?...
Amor meu,
pode ser José?...

Djalma Filho
Enviado por Djalma Filho em 30/07/2005
Código do texto: T38800
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Djalma Filho http://www.recantodasletras.com.br/autor.php?id=686). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Djalma Filho
Salvador - Bahia - Brasil
658 textos (19521 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 10:29)
Djalma Filho