Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Poema para abrir olhos

 

Persigo teu rastro

Palpável aos olhos

Nada que me detenha

Não meus pés

Minhas veias

Água negra

Bebo, bebo, feneço

Um trago, maço de ar

Deito língua, faminta

Na tela das palavras

Roço exclamação

Cada virgula tua nas minhas

Interrogações

E na janela do teu poema

Salto, suicídio

Enquanto os sapos

Engolem a madrugada

Paula Cury
Enviado por Paula Cury em 05/08/2005
Código do texto: T40571

Copyright © 2005. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Paula Cury
São Paulo - São Paulo - Brasil, 47 anos
114 textos (8470 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 04:28)
Paula Cury