CapaCadastroTextosÁudiosAutoresMuralEscrivaninhaAjuda



Texto

PALAVRAS DE POESIAS

Ainda que guardadas no âmago um dia elas virão ao mundo do concreto
           
             As palavras somem e apressadas voam em guinadas sem asas
             Pelo calabouço de nossa cabeça alada
             São nuvens espessas de letras
             Como gotas anis no grande oceano do elétrico pensamento
                     
                      Quais hóspedes ligeiros
                      O que seria da vida sem o hospedeiro?
                      Há um tempo em que choramos as lágrimas
                      Mais também há um tempo reverso
                      No anverso da medalha
         
         Em que as lágrimas talhadas choram por nós
         Cada dia uma página virada e ficamos com os detalhes
         Retalhos bifurcados que levam uns para o bem outros para o mal

E pensar que um passo dado a saudade volta dois
E um dia que chega na ponte do horizonte fica inversamente menor
E altera sutilmente o eixo do universo e sua inviolável geometria
         
         Sua completude me faz muita falta
         Há um espaço faltando no meu labirinto sagrado
         Teu triangulo cabe direitinho dentro do meu quadrado

Tu és a diluição mágica de minha alquimia
Às vezes a prisão está por dentro da gente
Somos cárcere e carcereiro ao mesmo tempo
Em empedrados nós que não desprendemos
Porque não aprendemos a perdoar
A doar o alivio que no peito aperta a dor de se reter o ar
Que devemos com o máximo cuidado soltar

Não aprendemos a desaprender
Por isso acumulamos brinquedos de peças quebradas
     
       Conheço cada átomo a quedar de teu corpo
       Que me reconstrói e me consome na enseada
       O teu corpo é eterno como a cadencia do mar
       Como paginas de um livro que vai e vem pacientemente
       Passa anos e suporta este movimento
       Sem nada precisar se não da terra molhada
Já o fogo precisa se alimentar se não ele morre e padece com fome...
Como laminas do amor perscruto teu recôndito
Mais a distancia destrói aquilo que dilatadamente nos remoi

O remorso é a saudade dos desgraçados
A culpa é o hímen complacente dos condenados
O próprio homem é o seu mais brutal predador
Possui garras que outros não têm! O desamor

          Feitas de pólvoras que só os demônios os segredos contem
          A vida é esse abismo esta vastidão de formas e contornos

Tu grudas em minhas lentes e em meu entorno
Tu me olhas de lado e eu te olho de frente
Sou volta sou estorno sou acalanto
Sou tão pouco é vós é tanto escuta a maciez do meu canto
Que se perde na densa floresta como um raio de sol pela  fresta

               A flor roxa repousa mesmo sobre tua coxa
               Suavemente essências de rosas petaladas
               Metamorfoseiam-se em estrelas notívagas

E saindo da minguante se transformam
Em vitoria régia aberta no céu e que agora é lua cheia
Tão cheia de calda que me lambuzei de estrelas

     Vem e em teclas se enche no favo da inspiração
     Tão cheia de vazios a se preencher que em digitais te adentrei

Vem e te assalta a noite o sedento colibri
Tira dela toda sua almiscarada dor
Mal sabe ele que por ela de quimeras me embriaguei

         O dia era a lagrima de saudade que derramara por seu amor
         Que por falta de sal no mar morto a desertei.

Há dias e dias... E como há dias sem os dias que há
Parecem que não existiram para aqueles dias...
Há tantos vãos nos desvãos desta agonia
Há tantos porões vazios nestas negras galerias
Só a prenhez das letras inunda a vida vazia

O que da arte sobra renasce da arte na esperança de uma nova cria
Quais detentos destes grilhões... Os dias!
Podemos-nos voar livres pelos céus da inspiração... Oh! Santa poesia.


Jasper Carvalho
Enviado por Jasper Carvalho em 04/04/2013
Reeditado em 07/04/2013
Código do texto: T4224181
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2013. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
Jasper Carvalho
Bagre - Pará - Brasil
2096 textos (61506 leituras)
10 áudios (932 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/04/14 14:00)