Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

HABITE-SE

na casa
onde nosso corpo habita
não há vizinhos nem silencio,
na casa
onde nosso corpo fez morada
nada é completo nem inútil;
toda ela,
bem decorada,
guarda o encantamento maior da intimidade:
desde a sala pronta para abrir e folhear memórias
até o quarto montado, sem penumbra, para os sonhos

a casa
onde nosso corpo habita
na mesma noite em que, eventualmente, será ouvida
poderá não revelar os eternos silêncios sepulcrais,
a casa
onde nosso corpo fez morada
no mesmo dia em que abriu as portas para a maré-alta
fechou suas janelas rangidas pelo sudoeste triste;
toda ela,
bem acabada,
acomoda o sotaque de todas quase sempre-vivas
como num jardim concreto, sem a beleza das línguas
em harmonia com as bocas prontas ao pudor ou mistério.

Cada vez mais íntima de nós,
a casa
onde nosso corpo fez morada
permanecerá
com a  nossa cara, com o nosso cheiro, com o nosso jeito
— não sei se por muito —
do tamanho nosso, seus únicos habitantes:
mesmo se no terceiro dia, cúmplice pelo atraso,
uma menstruação voltar a dar sinal de vida, impune!
Djalma Filho
Enviado por Djalma Filho em 13/08/2005
Código do texto: T42251
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Djalma Filho http://www.recantodasletras.com.br/autor.php?id=686). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Djalma Filho
Salvador - Bahia - Brasil
658 textos (19518 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 00:33)
Djalma Filho