Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

BRASÍLIO

quase nada mais lhe resta,
sobra-lhe apenas um tempinho,
a morte certamente virá
decerto
quieta como quem acha
sua vida já gasta...

perdeu a mulher, a mãe, a filha
tudo que de dignidade lhe sobrara
num trágico acidente de País!...

perdeu a idade, a velha identidade
os traços sinuosos de sua simplicidade
a assinatura borrada que construiu o País!...

perdeu a ilusão de sonhar com a cerveja
no copo cheio de risos debochados, qual futebol,
mesmo que seu time perdesse o campeonato do País!

Perdeu a vergonha de vez,
foi assaltar, sem jeito,
o mendigo de mãos dobrando a esquina,
a banca cheia de más noticias,
os passageiros da noite...

perdeu a vergonha num só salto,
pintou o sete, qual gato,
estuprou a filha mais moça da vizinha
e decretou a lei do silencio
aos que o reconheceram.

Certamente haverá um tempinho
para escrever no cartão
de quanto será o resgate
do indefeso condenado,
cidadão torturado,
cuja vida mora em suas mãos.

Um tiro seco e mais nada!...

o atirador de elite
fecha a carreira e a vida de Brasílio,
que ainda tem tempo de chorar
a falta da mulher, da mãe, da filha, da sua tara
da cerveja derramada
de um campeonato já perdido.

Quis até assinar o nome no bilhete do resgate:
sentiu saudade de letra tortuosa
ensinada pelo Mobral
para um cidadão.
Djalma Filho
Enviado por Djalma Filho em 13/08/2005
Código do texto: T42257
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Djalma Filho http://www.recantodasletras.com.br/autor.php?id=686). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Djalma Filho
Salvador - Bahia - Brasil
658 textos (19521 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 16:24)
Djalma Filho