Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Calada, cega e surda.

Quem será, esta menina.
Que todas as manhãs, quando passo.
Eu a vejo sentada no mesmo lugar.
Com o olhar triste, e perdido.
Olhando o espaço, vazio a sua frente.
Não sente a minha presença.
Nem mesmo quando paro, e falo com ela.
Porque será, que ela fica ai tão só.
Calada, cega e surda, nada ouve.
Nada fala, não vê, o mundo lá fora.
E toda esta beleza, que nos cerca.
Hoje eu me aproximei, ela me viu.
Ao sentir minha presença ela sorriu.
Talvez, o seu primeiro sorriso.
Eu tentei lhe explicar porque vinha.
Ela não me deixou falar, se afastou.
Mas mesmo assim eu lhe disse algo.
Talvez ela tenha escutado, e sinta.
O pedido que fiz a ela.
Pedi para que, olhasse para o céu.
Para que visse este sol maravilhoso,
Que brilha para todos nós.
E que também devia escutar.
O canto dos pássaros,
Que também cantam para nós.
Que procurasse sentir, o perfume das flores.
Porque elas exalam, seu perfume para nós.
Se tudo isso que eu falei, for e m vão.
Tu nunca serás feliz, mas se você viu.
O sol a brilhar, ouviu a cantar dos pássaros.
E sentiu o perfume das flores, com certeza.
Você ainda e uma de nós...
                                               
Volnei Rijo Braga
Enviado por Volnei Rijo Braga em 14/08/2005
Código do texto: T42623
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Volnei Rijo Braga
Pelotas - Rio Grande do Sul - Brasil, 69 anos
2314 textos (147479 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 02:24)
Volnei Rijo Braga