Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

UMA OLHADELA DENTRO DO QUARTO

Um zumbido, apenas, e o resto é um silêncio terrível consumindo minha alma.
São passos na madrugada, espelhos enormes, rostos parados, fixos. Mãos nervosas. E os corpos, sensuais, estremecem no gozo da paixão.
Manchando o lençol imaculadamente branco de sangue.
A tez ilumina-se e o amor arrebenta o hímen da timidez deixando para trás os rancores do quarto. Claro.
A imensidão da hora se desfaz nos suspiros pesados, rítmicos, em que as mãos  se afagam e os corpos se violentam, sagrados.
Eis o brilho. Eis a esperança. Porque o corpo não se macula no ódio.
O corpo não se violenta na simples dor. Tudo permanece cheio, farto, com a vida se sobrepondo ás aspirações e ás roupas jogadas no tapete macio, testemunhas da cena natural de perseguição, onde cada um dá e cada um tem.
O barulho permanece nos ouvidos atentos e voa para as encruzilhadas desfeitas de estradas virgens, seduzindo corações, enrijecendo membros.
Viril como um atleta. Úmido.
Introduz dentro do espaço a simples opção de amar, sem técnicas, moralidades ou necessidades bestiais. Apenas o instinto puro de um corpo que pede e reclama quando não lhe dão.
E se contorce numa cena, insano, fremente.
Existe no teto uma estria a mais. As janelas trancadas tremem de medo da claridade. As unhas marcam a carne, e a carne treme, pois a unha e a carne são uma só. Unidas.
O cheiro forte do líquido branco por sobre a cama. E o suor doce de pós-amor.
Mas claro que isto não termina docemente, porque as boas coisas da vida são simples e o amor é simples. Complicados somos nós.
A porta nem precisa ser trancada porque o amor não liga para fechadura, seja ela qual for, sem segredo ou com segredo.










PHYLOS
Enviado por PHYLOS em 16/08/2005
Código do texto: T43103

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o nome do livro e do autor) e as obras derivadas sejam compartilhadas pela mesma licença. Você não pode fazer uso comercial desta obra.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
PHYLOS
São Paulo - São Paulo - Brasil
49 textos (5184 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 16:03)
PHYLOS