Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A Arte De Agradar a Todos



A difícil arte de agradar a todos...
Nesses últimos dias fui levada
Por uma enxurrada de contradições.
Será que sou boa ou má?
Será que sou agradável ou não?
Sincera e humilde, sei que sou...
Se falo estou errada...
Se calo, mesmo calada sou julgada
Como prepotente e esnobe...
Ora... faça-me o favor!
Tenho o direito de me proteger,
O direito de me afastar,
Porque dentro de mim há uma
Bússola certeira e afinada
Que acusa a hora de parar
A viagem, descer na estação
Mais próxima, encurtar a estrada...
Se sou desagradável porque
Sou autêntica, continuarei
Sendo desagradável,
já que não me rendo
A conversas enganosas e cheias
de segundas intenções...
Não sou de usar cabresto,
Muito menos bailarina
Para ser levada pelos sons...
Se alguém quer minha amizade,
Terá, desde que a sua seja de fato amizade..
Não use por favor de meias palavras,
Meias conversas, meias verdades...
É difícil agradar quando a meta da maioria
é olhar para o próprio umbigo...
Exterminada será e a minoria será um fato.
Mas por que agradar?
Pra que?
Eu desisti dessa arte. - Ou artimanha?
Ser popular é caminho para a mediocridade,
É perder a própria identidade...
O artista por melhor que seja
Conquista a fama e perde a liberdade...
Entre o dono da boiada e os bois,
Não serei pasto, me afasto...
Não me abalo, não me arrasto...
Faço parte de um grupo de poucos...
Como agradar muitos nesse teatro de loucos?
Se o maior homem do mundo,
Não conseguiu agradar a todos?!...

Mari Trujillo
06.08.2004
Respeite os direios autorais


El Arte de Agradar a Todos
Marilena Trujillo´

La difícil arte de agradar a todos...
En estos últimos días fui llevada
Por un torrente de contradicciones.
¿Será que soy buena o mala?
¿Será  que soy agradable o no?
Sincera y humilde, sé que soy...
Si lo digo, estoy equivocada...
Si me callo, aun callada soy juzgada
Como prepotente y esnob...
Ora... ¡hágame el favor!
Tengo el derecho de protegerme,
El derecho de alejarme.
Porque dentro de mí hay una
Brújula certera y afinada
Que acusa la hora de parar
El viaje, bajar en la estación
Más próxima, acortar el camino...
Si soy desagradable porque
Soy autentica, continuaré
Siendo desagradable,
ya que no me rindo
A los comentarios engañosos y llenos
de segundas intenciones...
No soy de llevar cabestro,
Mucho menos bailarina
Para ser llevada por los sonidos...
Si alguien quiere mi amistad,
La tendrá, siempre que la suya sea de hecho amistad...
No use, por favor, medias palabras,
Medios comentarios, medias verdades...
Es difícil agradar cuando la meta de la mayoría
Es mirar hacia el propio ombligo...
Exterminada será y la minoría será un hecho.
Mas ¿por qué agradar?
¿Para qué?
Yo desistí de ese arte. -- ¿O artimaña?
Ser popular es el camino para la mediocridad,
Es perder la propia identidad...
El artista, por mejor que sea,
Conquista la fama y pierde la libertad...
Entre el dueño de la flotada y los bueyes,
No seré pasto, me alejo...
No me conmuevo, no me arrastro...
Hago parte de un grupo de pocos...
¿Como agradar a muchos en este teatro de locos?
¡Si el principal y más importante hombre del mundo
No consiguió agradar a todos!...

Mary Trujillo
06.08.2004
Mary Trujillo
Enviado por Mary Trujillo em 17/08/2005
Código do texto: T43256

Copyright © 2005. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Mary Trujillo
São Paulo - São Paulo - Brasil
387 textos (25775 leituras)
41 áudios (1840 audições)
8 e-livros (1171 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 00:25)
Mary Trujillo