Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

NÃO CHEGA DE SAUDADE!




Em você, eu me vi no espelho do tempo.
Somos metade, em eterna conjunção.
Na imensidão de minha  tristeza,
Sinto teu meigo abraço me amparar,
E incompreendo teu coração me rejeitar.

Se, a intensidade de teus versos,
Pudessem captar minha sinuosidade,
Certamente eu não seria um ser errante;
Que perambula, zanzando por ai,
Procurando o nada, esbarrando no vazio.

Omiti o pranto, para ser conivente.
Abri meu sorriso e fechei o coração.
Fui nocauteado pela submissão do amor
Decantado em teus versos e prosas.
Até mesmo o sonho foi usurpado.

Aqueço-me na saudade causticante,
Tentando recolher as migalhas de amor
Que a vida reservou para mim.
Intrínseco abatimento que teima
Em acrescer o torpor, na agonia da dor.

Absorto em pensamentos retrógrados,
Tento projetar em você o meu sonho.
Chega a ser indecoroso o meu pensar;
Como posso embutir em teu coração,
Um amor, que desconhece a própria razão?

A cada penoso dia que desabrocha,
Sinto-me diminuído frente ao mundo.
Incorro em observações infrutíferas.
Assomo descréditos repetitivos e pasmo,
Acrescido de teu desamor, teu descaso.

Ando descortinando existências passadas,
Para detectar a brusca mudança emocional
Que deteriorou o amor e criou a rejeição,
Norteando a fixação pelo desassossego.
Acho que a maledicência me fez de sparring.

Certamente é assim que você quer me ver,
Sempre cáustico, em processo de decomposição,
Atado a uma asquerosa e  infinda apatia mórbida
Que desalenta a mente e encurrala o coração,
Que, mesmo magoado, ainda chora uma doce saudade.


Paulo Izael
Enviado por Paulo Izael em 19/08/2005
Código do texto: T43752
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Paulo Izael
São Paulo - São Paulo - Brasil
206 textos (27425 leituras)
1 áudios (171 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 02:20)
Paulo Izael

Site do Escritor