Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Poema 0046 - Fazendo amor



Meu mar é como braços longos,
partes que se arrastam pelo corpo;
como o sol, os olhos têm brilhos de tesão,
marés, como roupas jogadas sem direção.

Seus céus têm afluentes, astros,
estrelas que repousam em meus lábios,
lácteo, na boca fervente do sexo,
o desejo branco que escorre em silêncio.

Vento, ante o arrepio do beijo na nuca,
vem a dor das unhas cravadas nas costas,
palavras obscenas são jogadas no teto do quarto,
sopros ofegantes completam as bocas sedentas...

Seios, montanhas estrategicamente colocadas,
picos redondos, morros tensos e provocantes,
destemperam aos primeiros toques,
róseo, pontiagudo desequilíbrio da minha fome.

Tempestades, cheiros e líquidos... cio,
misturas de tramas silenciosas,
despertando as loucuras sedimentadas da paixão,
fluidos que inflamam ao roçar das peles.

Caminhos, entradas de nossos segredos,
túneis, dobras, ruas de peles lisas,
protegidos por pêlos suaves,
ora coloridos, ora ensopados pela saliva quente.

Raios, brilho instantâneo refletido nos olhos,
sonhos que aparecem estampados no rosto;
junto, a vontade do grito, o urro de prazer,
formando fluxos de desejos encaixados ao gozo.

Brisa, abandono silencioso dos sexos,
peles são resfriadas por poros úmidos dos suores,
braços deslizam relaxados ao redor de corpos nus,
mãos afagam suavemente refrescando como chuva fina.

10/11/2004

Caio Lucas
Enviado por Caio Lucas em 14/02/2005
Código do texto: T4417
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Caio Lucas
São Paulo - São Paulo - Brasil, 68 anos
4429 textos (116052 leituras)
1 e-livros (166 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 25/09/16 09:16)
Caio Lucas