Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A CRÓNICA DOS PARALELEPÍPEDOS


os paralelepípedos da minha cidade
converteram-se em fantasmas de betão
e andam brincando às ruas na memória
dos jovens do meu tempo

sentem-se perdidos na escuridão sem idade
sempre com um bilhete de autocarro na mão
e nem fazem palavras cruzadas - têm na história
o passatempo guardado na mesa de cabeceira
dos jovens do meu tempo

trazem cigarrilhas baratas escondidas na carteira
no lugar onde dantes guardavam as notas do dinheiro
esqueceram-se do prazer de sermos o primeiro
a chegar aos lugares a ocupar no balcão a cadeira
dos jovens do meu tempo

se alguém lhes pede um cigarro dizem que não fumam
e mostram os bolsos vazios como a pedir desculpa
saem a horas para o emprego e nada os catapulta
a faltar em casa a rever na tv os filmes sobre o vietnam
dos jovens do meu tempo

e todos os dias pisam os mesmos paralelepípedos
que estão por debaixo do alcatrão cobrindo a estrada
penteiam-se endireitam a gravata compram insípedos
o jornal igual ao lido no trabalho e já não sabem nada
dos jovens do meu tempo

um dia deitam-se com os óculos na ponta do nariz
perguntam à mulher se ela sempre fizera o jantar
e desvalidos deixam-se cair sem um grito e ela alar-
mada a interrogar-se o que fazer - sentia-se a mais infeliz
dos jovens do meu tempo

nem todos fomos ao funeral e uns contavam sobreviventes
entre próteses internamentos lares vesículas e uns by-pass
alguém perguntava pelos paralelepípedos e outros pelos dentes
e desaparecemos no nevoeiro sem um adeus - era o desenlace
dos jovens do meu tempo


JOSÉ ANTÓNIO GONÇALVES


(inédito, 31.1.04)

JAG
Enviado por JAG em 21/08/2005
Código do texto: T44187
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
JAG
Portugal, 62 anos
117 textos (41779 leituras)
4 áudios (187 audições)
1 e-livros (28 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 16:30)
JAG