Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A ALMA DAS COISAS

“Bela esta manhã, sem carência de mito”. Drummond.

Bela esta tarde repleta de nuvens,
belo o enredo do amar, em que choram
as chaves do corpo, a alma das coisas.

São alvos os caninos noturnos.
A agonia consciente e inconsciente,
passando ao sol poente.

No azimute, ao norte, a morte.
Bússola que nos orienta.

De tudo que nos é atento
salvam-se os salmos, ramos de pureza,
mágicas canções, a clava dos que oram,
violão nos olhos da aurora.

Lento é o visgo
de quem vive pra dentro.

- Do livro O POÇO DAS ALMAS. Pelotas: Ed. Universidade Federal, 2000, p. 71.
http://www.recantodasletras.com.br/poesias/45278
Joaquim Moncks
Enviado por Joaquim Moncks em 26/08/2005
Reeditado em 26/02/2008
Código do texto: T45278
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Joaquim Moncks). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Joaquim Moncks
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 70 anos
2581 textos (709799 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 04:36)
Joaquim Moncks