Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

PERDAS E DANOS

“da vez primeira em que me assassinaram
 perdi um jeito de sorrir que eu tinha...”
 Mario Quintana.

Numa tarde qualquer visito a casa
dos mortos, e abre-se o peito
em alas de ciprestes.
O canto é  fundo, a vida esquálida.

Há um Cristo dentro de mim.
Tantas almas perdidas em cruzes...
Viver é o fio de linha equilibrando
vida e morte.

Amo meus mortos, e o amor é tudo.
Sibila o cicio do vento de outono,
a Voz do Mundo sussurra ao ouvido:
- Tudo é renovação no carisma
de hóstias e sangue!

O vinho é a ferida consagração.
Poesia é choro, na voz amada:
facho de luz fundeado nas trevas.
Somente a poesia resiste às ausências.

O sol tropeça no crepúsculo...
Boca soletra o rito
das perdas e danos.

Do livro OVO DE COLOMBO. Porto Alegre: Alcance, 2005, p. 58.
Joaquim Moncks
Enviado por Joaquim Moncks em 29/08/2005
Reeditado em 25/09/2005
Código do texto: T46101
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Joaquim Moncks). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Joaquim Moncks
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 70 anos
2581 textos (709754 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 19:28)
Joaquim Moncks