Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Poema 0076 - Até que a saudade morra



Antigos habitantes fizeram ruas emparelhadas aos segredos,
os sentimentos fugiram pelos buracos do rosto,
uma fêmea, rainha das rezas e dos pecados,
repartiu meu corpo, que é um, em muitos sem amores,
até que apagou o brilho dos olhos.

Careço a morte da saudade,
para que volte o calor que circunda o corpo,
pertenço à lucidez do nu que me habita,
preciso dos extremos de todas as paixões vividas,
até que sinta a vida batendo novamente no peito.

Quisera eu saber andar sozinho,
pisar em cada pedra, sentir a chuva destemperar o sol,
resfriar o calor dentro da veias, gelar até à alma,
quisera sentimentos novos, mais puros, grandes,
assim que te levaria daqui, até Deus ou a qualquer céu.

Deixarei que meus sentimentos pousem no teu colo,
amanhã, depois de fazer amor,
talvez antes, entre o beijo e o sim que me queira,
cultuaremos os gostos, os cheiros, até que exalem,
criaremos asas, só visíveis aos amantes e vamos...

Voltarei a ser pó antes da minha morte,
carrego o rosário entrelaçado aos dedos maiores,
deixarei escrito uma breve despedida de amor,
para cada boca, para cada corpo, para cada amante,
que a saudade morra e conceda meu derradeiro desejo.

08/12/2004
Caio Lucas
Enviado por Caio Lucas em 18/02/2005
Código do texto: T4695
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Caio Lucas
São Paulo - São Paulo - Brasil, 68 anos
4429 textos (116251 leituras)
1 e-livros (166 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 10:07)
Caio Lucas