Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Incontida

Não há apenas a palavra contida
Camuflada no exílio dos lábios,
Cúmplice da confissão adiada.
Quisera que fossem apenas os gemidos,
Os suspiros despidos em noites famintas.

Não há apenas o tremor, a palpitação,
Carícias descalças nas ruas do desejo
Ou transgressões consentidas na febre do olhar
Enviesando as máscaras da sensatez,
Depondo disfarces e a pretensa razão

Há sempre o não suposto, o inesperado
A recordação que se rende ao renunciado
Clandestinas inquietudes a me guiarem
Pela porta entreaberta do meu peito em vigília
Amparando a solidão da insone espera

Há sempre um rosto, um nome
Letras que não alvorecem na folha vazia
O imponderável a pulsar intenções.
Pudessem as mãos escrever, o que se sonha
No diário em que se guarda o coração!

Não há apenas o toque lembrado
Ou a ternura a germinar saudades.
Sabe-me o silêncio, quando sou turbilhão
E quando te deixo, dos meus olhos escapar
Na dor de uma lágrima sem par...

 

Fernanda Guimarães


Visite "De Amores e Saudades - Fernanda Guimarães":
www.fernandaguimaraes.com.br
Fernanda Guimarães
Enviado por Fernanda Guimarães em 19/02/2005
Reeditado em 25/08/2008
Código do texto: T4715
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Fernanda Guimarães
Fortaleza - Ceará - Brasil
430 textos (64243 leituras)
9 áudios (1778 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 26/09/16 16:03)
Fernanda Guimarães