Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Escárnio



Rejeito o beijo
do maldito verbo amar
Expulso-o do meu tétrico coração
Longe de mim sentimentos
que me falem de amor
Estou avessa aos sorrisos
Apago das retinas o encanto da lua
Não quero mirar estrelas
Sinto náuseas ao ver o brilho do sol
Não sou poeta !
Não sou artista !
Anarquista talvez !
Longe de mim aplaudir a patética alegria
Rasgo o véu da saudade
Sinto-me nua
Arranco do recôndito da alma
todas as teias sujas da paixão
Enquanto o sol não se pôr
não vou conjugar os verbos doces
Não combinam com minha dor
Abraço calidamente a ira
Aconchego-me em seus braços
Quero dormir em um travesseiro de espinhos
para acordar na companhia da dor
Sentir todo o travo da vida
Percorrer os árduos caminhos da desilusão
Enaltecer a infelicidade
por simples escárnio
Cansei das falsa doçuras
Quero degustar o fel da vida
pelo prazer de ser amargo
Beber o veneno das horas cruéis
Vomitar no fétido mundo das ilusões
todo o meu rancor
Quero provar ao ingrato destino
que jamais me curvarei aos seus pés
Custe o que custar !

16/06/2003

Zena Maciel
Enviado por Zena Maciel em 02/09/2005
Código do texto: T47160
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Zena Maciel
Jaboatão dos Guararapes - Pernambuco - Brasil
239 textos (6626 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 14:52)
Zena Maciel