Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CONTRA-SOLUÇO


medrei,
quando senti um susto,
apressado, vir em minha direção.

Preguei, na testa,
uma fita quase vermelha
— cor de Iansã —
combinando com a lividez da minha pele,
na certeza absoluta de que o soluço passaria...

medrei muito,
quando me vi sozinho dentro de um quarto,
onde, nem janelas nem tramelas, colocariam as portas pro ar.

Medrei, me caguei todinho,
as assistir, fora ou dentro, a tela se abrir
para a cena dos canastrões atores de cinema;
a existência do beijo irreal, entre eles, era tão inverossímil
que as minhas mais ridículas medrações tornar-se-iam imperceptíveis:
medrei no escuro com fantasmas,
medrei comer após ter muito vomitado,
medrei beijar mesmo quando vitimado de raiva...

E para que nenhum medo mais persista,
não medrem sentir amor,
mesmo que os sustos apareçam na fita,
mesmo quando impossível seja a concordância inevitável do encontro
noite após noite, dia após dia, qual o choro dos recém-nascidos.
Silêncio! Deixa a vida seguir quieta, a dois!

Abram os braços ao novo
— sem medrismos —
e deixem o dia chagar magérrimo,
apesar do sol-menino em esconde-esconde.
Djalma Filho
Enviado por Djalma Filho em 04/09/2005
Código do texto: T47601
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Djalma Filho http://www.recantodasletras.com.br/autor.php?id=686). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Djalma Filho
Salvador - Bahia - Brasil
658 textos (19519 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 10:54)
Djalma Filho