Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ROMPIMENTO

 

No rompimento do pranto, sangrante
qual um açude ,após o inverno ,nas terras
antes ressecadas em rachaduras,
cumpre-se um ciclo de dor,nesse instante...
Tu vais embora do sonho e assim  encerras
teu próprio capítulo de aventuras...

Eu porém cantava dançando ao vento,
embalada em estranha alegoria:
para mim o futuro estava perto,
e se representavas o momento,
eu, na ilusão do amor, não o percebia
em vez de distante, via-te perto...

No rompimento do pranto,a represa
que parecia tão forte,desmanchou-se
com a força do meu pranto em enxurrada...
 Nada percebes, deixando-me acesa,
(uma vela de cera que apagou-se
a fingir que tanta dor, não era nada)...

Resiliente, vou fazer a argamassa,
 cimento ,pedregulhos , água e choro,
mais meu desejo de reerguer um muro,
bem misturados -pois tudo um dia passa
se os passarinhos vão fazendo coro,
enquanto quem sofre trabalha duro...

Desta vez, deixarei um bom espaço
para que as águas não derrubem o dique,
de forma que eu possa nadar,contente
em  meu próprio caudal, sem nenhum laço
que se desmanche ou que me modifique,
porque a partir de agora, eu sou de aço...

Cantarei com as aves matutinas,
dançarei com o vento e as andorinhas,
ficarei acordada, com as corujas...
Olvidarei bem depressa, as doutrinas
escrevendo certo em todas as linhas
deixando brancas as lembranças sujas...

Sim, porque sujaste meus sonhos brancos,
com tuas mentiras cruéis e inconseqüentes...
Mas enquanto eu me refaço no agüaceiro,
sei que foges aos trancos e barrancos,
por causa dos remorsos insistentes...
Mesmo encharcada, estou em Paz primeiro...

Melhor assim:sendo mulher , sou forte
prefiro perder antes que depois
de ficar dependente desse encanto,
nesse engano,é preferível o corte,
nos separarmos,nos tornarmos dois,
cada um independente no seu canto...

Não voltes nunca mais, vou te esquecer,
rasgar retratos, nem mesmo sonhar,
e para tal, não quero mais dormir...
Vou ser outra, com outro batom, ver
no espelho alguém bem diferente, ar
de alienada...De ti, me redimir...



(para Cristina 'M' e sua história de amor desmanchada)

Andei a escrever estes versos interpretando a dor
feminina
de quem, embora predendo uma ilusão amorosa, não deixa de
re/construir-se,
para isso usando a imagem dos açudes nordestinos, que sangram água, mas
depois continuam e se rebentam,são refeitos, sempre...
Clevane
clevane pessoa de araújo lopes
Enviado por clevane pessoa de araújo lopes em 06/09/2005
Reeditado em 04/10/2005
Código do texto: T48205

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autor e o link para o site "www.sitedoautor.net(Clevane pessoa de araújo lopes;(www.clevanepessoa.net/blog.php)). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
clevane pessoa de araújo lopes
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil, 69 anos
555 textos (176742 leituras)
21 e-livros (13423 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 04:00)
clevane pessoa de araújo lopes