Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Eu

Era de manhã;
o vento fazia ondas no mar.
Sim, eu sabia que era de manhã
mas essa luz eu não via,
para mim não era dia,
era uma noite de trevas,
um dormir sem despertar.

E essa manhã-noite-agonia
era uma praia sem mar,
um vento que não assobia,
um dormir sem descansar;
era assim que eu via o dia:
uma noite sem luar.

Mas depois de muito tempo
uma estrela eu divisei.
Era uma estrela pequena,
sem muita graça, longínqua,
vivendo em outro sistema,
mas dessa estrela eu gostei.

E a noite virou dia,
não era mais agonia,
não era vento sem mar;
era um dia bonito,
eu divisava o infinito!
E eu voltei a o amar.

Mas esse meu amor-dia,
com todo esse seu clarão,
à estrela disse um não,
não aceitou sua luz.

E eu, por amar o dia,
continuo em minha noite.
Paulo Camelo
Enviado por Paulo Camelo em 09/09/2005
Código do texto: T48943
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autor: Paulo Camelo - www.camelo.recantodasletras.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre o autor
Paulo Camelo
Recife - Pernambuco - Brasil, 68 anos
909 textos (260174 leituras)
36 áudios (10732 audições)
6 e-livros (1679 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 22:59)
Paulo Camelo

Site do Escritor