Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

AMANHECER DOS AMORES

Cantai, cantai!
O tempo é austero, cantai!
O viver é mudo: esvai-se o tempo
e a vida é um mero acontecer.
Tão duros aos ventos,
temos todos a ilusão do amar.

A solidão é canto sórdido,
o Bem e o Mal.
Somos apenas o espelho triste,
o poema e a maçã,
até o pecado nos roubar de todo.

Sacrílegos aos ventos de ver, ó vida,
seresteiros aturdem o coração pequeno,
passageiros do canto e do vinho.

Unhas de aço nas mãos de antigos arautos,
violões tecem loas, madrigais.

E a emoção é mais do que o cintilar
de despedidas e acenos.

Nada mais nos sabe a vida,
e é sempre claro
o amanhecer dos amores.

– Do livro OVO DE COLOMBO. Porto Alegre: Alcance, 2005, p. 38.
http://www.recantodasletras.com.br/poesias/49137
Joaquim Moncks
Enviado por Joaquim Moncks em 09/09/2005
Reeditado em 02/07/2011
Código do texto: T49137
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Joaquim Moncks). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Joaquim Moncks
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 70 anos
2581 textos (709650 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 02:50)
Joaquim Moncks