Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CORIFEUS

(para Iolete Moreira, ativista cultural)

A noite é turva sob o céu de Campo Grande.
Escombros lúdicos reconstroem mitos, amores.

(O bar, dezesseis anos e sua roupagem.
Renegava-se a nós a cuba-libre, o gin-fizz.
Entre a coqueteleira on the rocks,
a canção italiana e o twist endiabrado,
minissaias sarandeiam na memória.
Eram os infindáveis zelos provincianos.)

Recanta-se o musical luzeiro da adolescência.
Também a foice atroz, sonhos empastelados,
guetos nas províncias notívagas da pátria amada.
Aqui, na capital do Oeste, o som é um matuto
repinicando entre o cerrado e o asfalto.

Aos quase sessenta, lavouras da noite
são jardins de pedra, suas fontes de augustas
águas dançantes, o mesmo néon
e a lei seca das amadas.

Agora, reconstrói-se saberes sobre ventos,
bandeiras e bússolas de agulhas loucas.
Vigiam-nos tesouros insuspeitos,
encantando a AIDS, escorpiões e medos.

Ainda assim vale a madrugada,
seus corifeus cegos de tesão e fugas.

A lua espia por trás dos óculos.

Do livro OVO DE COLOMBO. Porto Alegre: Alcance, 2005, p. 67.


Joaquim Moncks
Enviado por Joaquim Moncks em 09/09/2005
Reeditado em 10/09/2005
Código do texto: T49156
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Joaquim Moncks). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Joaquim Moncks
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 70 anos
2581 textos (709794 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 17:10)
Joaquim Moncks