Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Moinho Inválido

Moinho Inválido

O vento se foi em agonia
Rechaçado, perdeu-se na paisagem
O Moinho se lança em autonomia.
E tenta se mover sozinho .
Para que precisa de vento, afinal ?
É independente. Experiente, esse Moinho.
Conhece as sombras do bem e do mal.

Nada lhe falta no caminho.
Pode usar o poder das mentes.
E sua força altiva, o torreão.
Também a fé que move as gentes
Mas o esforço é tamanho e em vão.
Sente-se tão só, o velho Moinho.
E lhe dói profundo a hipótese do não.

Vê a frágil figura que lhe vai por dentro
E nada sopra ânimo às suas pás
Simplesmente não há movimento.
O Moinho fica mudo...remoendo...
Pede ao horizonte notícias do vento.
Sem ele, lhe reflui cada momento.
E lhe arranha tudo o que seja jamais.

A estrutura esmaga o solo estático
Enquanto o sal lhe tange a ferida.
O ar seco vai rachando os tijolos.
O Sol de napalm incinera os olhos.
Trespassa o líquor vítreo e apático .
E a ausência daquilo que negou enfático
Lhe subtrai displicente o carrossel da vida.

E ecoa ao longe seu triste lamento.
Moinhos sempre precisam de vento...

Claudia Gadini
16/08/05
Claudia Gadini
Enviado por Claudia Gadini em 10/09/2005
Código do texto: T49267

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Claudias Gadini). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Claudia Gadini
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
318 textos (54197 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 23:46)
Claudia Gadini