Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Introspecção

Me sinto abocanhada, pelo gigantismo dos meus anseios.

Ofuscada pela luz dessa manhã,

Tropeço nas idéias de como prosseguir.

Abraçada à noção do incomensurável,

Perfilo meu olhar, para além dos meus devaneios.

Tento vislumbrar meus sonhos!

Meus delírios de amor...

Para resgatá-los, do coração de uma clareira,

Chamada solidão!

Lanço meu grito no tempo.

E acordo, as angústias incrustadas,

Nos recônditos de minhas lembraças...

Lembranças, que ecoam nas minhas constantes decepções!

Procurei, nos indícios de minha memória,

O início da estrada...acerto meu passo.

Recomeço meu processo, de sobreviver a minha história.

Sobrepujando a realidade,

Mergulho no imaginário,

Produzindo meus próprios recursos,

Para essa luta de mim... em mim!

Renovação!

Do corpo, alma da mente,

Tão fênix, no ápice de ser eu mesma.

A metamorfose me toma,transporta.

Minha pupila perde o foco...

A pálpebra fica trêmula, meu peito ofegante,

E, por mais que eu suplique,

A solidão continua me afagando.

Afagos, que inrrijecem meus músculos,

E me expandem, de dentro para fora.

Numa implosão de pensamentos e emoções...

Que me assustam pelo gigantismo de meus anseios...

Me torno só,

Para entender meu coração!

Observadora
Enviado por Observadora em 15/09/2005
Reeditado em 04/05/2006
Código do texto: T50783
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Observadora
Salvador - Bahia - Brasil, 50 anos
487 textos (27392 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 16:19)
Observadora